De tudo um pouco

Divagações, opiniões, reflexões, livre-pensar…

O trabalho

Posted by Marcelo Dutra em sexta-feira, 2 maio 2008

Aproveitando o gancho do feriado do dia do trabalho, podemos fazer algumas reflexões sobre esta atividade que anda dando tanto o que falar. Trabalhar é bom? Faz bem? É necessário?

A revista Super Interessante, edição 252, de maio/2008, traz uma interessante entrevista com Tom Hodgkinson, escritor inglês, autor da coluna The Idler (algo como “O Vagabundo”) no jornal inglês The Guardian, e de livros como How to be Idle (“Como Vadiar”) e The Freedom Manifesto (“Manifesto à Liberdade”). Ele defende que trabalhar, principalmente em grandes empresas, somente deixa as pessoas ansiosas e deprimidas. Para embasar suas idéias ele usa seu próprio exemplo de vida: desfez-se de um bom emprego no centro de Londres e foi morar em um sítio no sul do país, onde trabalha no máximo 3 “exaustivas” horas por dia, dedicando-se mais a tarefas como leitura, música e atividades domésticas.

Dentre suas idéias ou conselhos, alguns ilustram bem seu pensamento:

– “A pior coisa que os jovens podem querer é passar no vestibular e trabalhar desde cedo numa grande empresa”

– “Qual o problema de chegar uma hora atrasado no trabalho por causa de uma ressaca?”

– “os colegas não têm direito de reclamar porque você chega atrasado devido uma ressaca. Quem está errado é o colega que trabalha demais. Graças a esse profissional outras pessoas se sentem culpadas por trabalhar menos”

E por aí vai.

Trata-se mais ou menos da idéia do ócio criativo. São idéias ousadas, modernas e que podem chocar muitas pessoas, que têm o trabalho como um dos valores fundamentais da vida.

Desde o começo dos tempos o trabalho é associado a algo desagradável, menor, penoso. Até a idade média somente os pobres trabalhavam. Seria uma desonra para qualquer nobre ou aristocrata realizar alguma atividade laboral com o objetivo de ganhar a vida. Até bem pouco tempo ainda existia muita gente que assim pensava. O melhor exemplo são os “play-boys” famosos, como Chiquinho Scarpa.

Hoje em dia trabalhar já não é mais considerado uma desonra, no entanto as pessoas ainda classificam alguns trabalhos como menos dignos que outros. Há trabalhos que conferem status e dignidade a quem os exerce, e há os que fazem justamente o contrário..

Não discordo das idéias do escritor. Acho que hoje a maioria das pessoas realmente trabalha demais, tornando-se ansiosas e tendo sua qualidade de vida reduzida. As pessoas que optarem por este estilo de vida devem se libertar do vício do consumismo, adotando uma vida simples e, principalmente, não se encostando nem dependendo de outros que trabalham para se manterem. O importante é que consiga se manter e manter seus dependentes, de forma digna e honesta.

Não podemos esquecer também que há pessoas que trabalham bastante e adoram o que fazem, considerando o trabalho como uma atividade prazeirosa. Não existem regras fixas nem conselhos corretos. Que cada um viva como gosta e como pode, sendo responsável por si e pelos seus. A verdadeira liberdade está em não seguir padrões pré-estabelecidos, nem de um lado nem de outro.

Este é o tema que trago para debate e reflexão.

Abraços…Marcelo

4 Respostas to “O trabalho”

  1. allegrobg said

    Caro Marcelo,

    Não conhecia o autor Tom Hodgkinson, mas sou estudioso e adepto ao ócio criativo, defendido pelo sociólogo italiano, Domenico Demasi. Concordo absolutamente com o que disse: “Que cada um viva como gosta e como pode, sendo responsável por si e pelos seus. A verdadeira liberdade está em não seguir padrões pré-estabelecidos, nem de um lado nem de outro.”

    Parabéns pela abordagem!

    Forte abraço!

    Rodrigo Campos

  2. Caro Marcelo,

    Tema muito oportuno, considerando os dias de hoje.
    Este é um tremendo paradigma a ser quebrado.

    Quando estou em um cargo de liderança costumo dizer aos meus companheiros de equipe,”Não costumo cobrar horários rígidos, sou à favor da produtividade”.

    Se o colega quer sair mais cedo ou chegar mais tarde, tudo bem, abono todos os horários, desde que ele realmente traga resultados e contribua com a empresa.

    Sei que ainda torcem o nariz para este tipo de atitude, mas prefiro ver meu liderado feliz e empolgado, pois entrou 2 horas mais tarde por ficar brincando com o filho pela manhã.

    Grande abraço e parabéns!!

    Ricardo Pernambuco
    http://bemsucedidoemti.blogspot.com

  3. Marcelo Dutra said

    Caro Ricardo
    De fato, é um grande paradigma. Mas algumas pessoas, assim como você, já começam a quebrá-lo. Onde trabalho já temos horário flexível e há alguma margem de negociação de horários e folgas. Mas o ponto ainda deve ser “batido” todos os dias e ao final do mês as horas são contabilizadas. Eu preferiria mesmo trabalhar com terefas bem definidas e prazo para concluí-las, com liberdade inclusive para realizá-las em casa.
    Obrigado por visitar esta casa e contribuir com o debate.
    Abraços…Marcelo

  4. allegrobg said

    Caro Marcelo,

    Não conhecia o autor Tom Hodgkinson, mas sou estudioso e adepto ao ócio criativo, defendido pelo sociólogo italiano Domenico Demasi. Concordo absolutamente com o que disse: “Que cada um viva como gosta e como pode, sendo responsável por si e pelos seus. A verdadeira liberdade está em não seguir padrões pré-estabelecidos, nem de um lado nem de outro.”

    Parabéns pela abordagem!

    Forte abraço!

    Rodrigo Campos
    Diretor Presidente

    Allegro Business Group

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: